sábado, 24 de dezembro de 2011

Capítulo 1

O despertador tocou. Era uma manhã de segunda feira bem chuvosa por sinal e eu não estava nem um pouco interessada em “acordar para a realidade”. Eu havia entrado de férias na sexta-feira e quando cheguei em casa fui surpreendida com a notícia de que me mudaria de cidade pois meu pai havia recebido a tão sonhada promoção na empresa e que eu querendo ou não teria que me adaptar ao meu novo habitat.Por um lado seria bom mudar de casa,de ambiente e conhecer novas pessoas já que meu último ano por aqui não foi um dos melhores mas confesso que não sou uma pessoa otimista.Na verdade eu nunca me encaixei no padrão da minha família,sou a filha mais nova que não tem nenhum talento em especial,nem é inteligente ou bonita.Todo mundo que me conhece acha que eu só vejo o lado ruim das coisas ou que digo isso em busca de elogios,mas não é fácil conviver com uma irmã metida a besta 24 horas por dia que acha que está com o futuro garantido só porque é uma modelo em potencial e deixa todos os garotos otários da região babando por ela e um irmão que é nerd por completo,o orgulho da família.Meus pais adoram comentar dos dois para seus amigos,falando sobre seus feitos e de como se superam cada vez mais,já de mim a única coisa que já os ouvi comentando foi de como é decepcionante ter uma filha que pega recuperação em matemática sempre e que parece não estar nem aí pra nada.O que eles não sabem é que honestamente desconheço uma pessoa que se importe com tudo a sua volta como eu.Adoro escrever sobre tudo que acontece no mundo,transferir minhas emoções nas palavras apesar de dizerem que isso nunca vai me levar a lugar algum.Não ligo para o que pensam e nem escrevo pensando em ter um futuro brilhante como meus irmãos foram predestinados a ter.Eu apenas escrevo porque é a forma que me sinto melhor comigo mesma,é algo espontâneo em que eu posso ser quem sou sem me esconder.Quando escrevo nem vejo o tempo passar,pareço estar em outra época e nada consegue me incomodar exceto os berros da ignorante da Letícia e do convencido do Luís dizendo para pegar as malas e me dirigir para o carro.Recuperando os sentidos depois da gritaria dos meus irmãos,olho em volta e me despeço do quarto em que passei a maior parte do meu tempo e da casa que me acolheu nos meus momentos felizes,tristes,de agonia ou expectativa e desço as escadas em direção do desconhecido pensando alto:Quem diria Sophia que um dia você teria que começar uma vida longe daqui?!
Entrei no carro e parti para a estrada com minha família.



Um comentário:

Gominha disse...

Gostei bastante desse primeiro capitulo, como já lhe disse: Eu achei a narração leve, leitura fácil e faz com que você fique curiosa para saber o que aconteceu.

Bjs.

Postar um comentário

 
;