quinta-feira, 12 de janeiro de 2012

Capítulo 14

Assistimos ao filme e demos várias risadas no cinema, tanto que quase fomos expulsos. Depois como havíamos combinado fomos comer pizza e conversar mais um pouco. Aproveitei para conhecer aquelas pessoas melhor, as férias estavam na metade e parte dos amigos de Júlia inclusive ela estudariam na mesma escola que eu. Era até bom já os conhecer porque particularmente odeio primeiro dia de aula ainda mais quando sou novata. Estava me dando super bem com a Mariana ou apenas Mari como gosta de ser chamada. Ela é um ano mais velha que eu, é cantora e assim como eu adora ler, já escrever ela me garantiu que não é com ela. Também gostei bastante do Bruno que é bem engraçado e tem um estilo totalmente único. Nem foi preciso que Júlia ou alguém me contasse que o Bruno é apaixonado pela Mari. Durante todo o nosso lanche ele olhava para ela de um jeito bem diferente e era inevitável não perceber o jeito que sorria e prestava atenção quando ela dizia algo. Aliás, ele me contou que já até compôs músicas para Mariana cantar e que se tudo der certo a música que ele estava escrevendo a faria o ganhar o concurso de música que haveria na cidade aquele ano. O Matheus era um pouco tímido e nem conversamos direito, já o Lucas pelo que parece gostou bastante de me conhecer, até pediu para deixar que eu visse alguns de meus poemas algum dia. A Carol era animada e alto astral que nem a Júlia. A Karina e o André eram namorados e estavam tão ocupados em namorar que nem prestaram muita atenção no movimento do grupo. Teve gente que eu não conversei muito até porque eu não podia demorar, mas pelo pouco que conheci todos ali eram bem bacanas. Eu havia me identificado com aquele grupo, no começo pensei que ia ser chato, mas acabei me surpreendendo e até me animei para o volta às aulas. Depois de comermos a pizza percebi que já estava na hora de ir embora e Gustavo não havia me ligado nem ao menos aparecido por ali. Confesso que achei melhor que fosse assim, já estava ficando tarde e se fossemos mesmo conversar ia acabar demorando muito e com certeza alguém chegaria na minha casa primeiro que eu. Me despedi de todo mundo e disse que teria que ir embora.Júlia também disse a todos que teria que ir embora e me acompanhou.Eu sabia que a garota poderia ficar e que ela queria mesmo era conversar comigo sobre o assunto de Gustavo e me convencer que deveria mesmo contar para Marcelo sobre o caderno.
- Então Sophia o garoto que você estava tão preocupada em ver acabou não aparecendo né?
- Pois é! E ele nem me ligou nem nada, acredite estou aliviada.
- Não, mas não pode ficar assim, ele também está fugindo de você ou então está jogando com você. Por isso você vai ligar para ele agora e marcar de conversarem hoje porque isso já deveria ter acontecido no dia do beijo.
- Você ficou maluca? Meus pais devem estar quase chegando e se descobrirem que eu saí de casa é provável que nunca mais consiga sair novamente.
- Deixa de ser exagerada garota, também não é assim. Se fica tão difícil ser hoje, manda uma mensagem para ele dizendo que não vai ficar esperando ele tomar iniciativa de vir até você para conversar sobre o que precisam resolver.
- Não vou mandar é nada, eu mesma disse com ele que era melhor ele não vir até aqui e ele meio que me chantageou como sempre faz. Júlia eu sei que você é animada, encara os problemas de frente, mas eu não sou assim e as coisas não são tão fáceis como pensa que são, é você que nunca passou por nenhum problema assim e por isso fala isso.
- Você me conhece há tão pouco tempo. Não sabe nada do que eu já tive que enfrentar, mas não vou te contar hoje até porque iria demorar demais. Já fui meio parecida com você e por isso digo pare de agir assim com medo de tudo e pensando demais no que pode acontecer. Pode ser pior para você. Agora se está tão insegura espere amanhã, com certeza Gustavo irá procurar te procurar e vocês conversam e quanto ao lance do caderno, Marcelo e Letícia se puder passa amanhã lá na livraria para conversarmos melhor sobre isso.
Me despedi de Júlia e fui para casa. Adorei passar o dia na companhia daquelas pessoas, me desliguei um pouco da minha realidade e até esqueci da situação que estava vivendo por completo mas o dia havia acabado e estava anoitecendo e agora tudo parecia me preocupar até com mais intensidade.Estava muito nervosa com medo de alguém já ter chegado na minha casa mas teria que enfrentar isso caso tivesse acontecido. Quando estava próxima da minha casa encontro Gustavo que parecia estar ali de propósito justamente para falar comigo.
- O que está fazendo aqui? Perguntei para ele
- Estava esperando você chegar para conversar com você
- Não acredito que você está plantado aqui por horas me esperando só para conversarmos. Você não ligou, não deu sinal de vida e nem ao menos foi ao shopping.
- Você nem parecia estar querendo me ver e tive que sair com minha mãe por isso não fui até lá e eu não sou tão perturbado a ponto de ficar aqui esperando você passar, mesmo porque nem seria possível prever isso. Fui na casa de Marcelo e depois na sua mas seu pai disse que você não estava, te vi voltando de longe e resolvi te esperar para a gente conversar.
Nessa hora todo o pânico e desespero que eu podia sentir apareceram. Eu sabia que saindo sem avisar correria esse risco, mas duvidei que isso pudesse acontecer. Para mim chegaria a tempo de ninguém da minha família ter voltado para casa ainda. Com certeza subestimei minha irmã que sabia que eu fiquei de sair hoje e então voltou para casa mais cedo para ver se eu estava e não me encontrando avisou meu pai. Estava completamente paranóica, na verdade dessa vez a culpa não era de Letícia e sim que meu pai voltaria mais cedo do escritório hoje e eu me esqueci. Agora já não havia como voltar atrás e resolvi seguir o conselho de Júlia e Clara e ter logo de uma vez a conversa com Gustavo. Não importasse a hora que eu chegasse em casa eu já estava encrencada mesmo.
- Está certo Gustavo, vamos conversar então.
- Será que você pode me explicar o porque de ter dito que não era pra mim ter te beijado e para depois você sair correndo como fez?
- Sei lá o que me deu naquela hora sabe, aliás, acho que fiquei daquela forma porque eu gostaria que aquele momento nunca tivesse acontecido. Voltei para casa depois para conversar, mas me disseram que você havia saído nervoso e sem despedir.
- Eu saí nervoso sim porque não consegui acreditar no que havia acontecido. Eu esperei por aquele momento desde o dia que te vi pela primeira vez e você me diz que nunca queria que aquele momento houvesse existido.
- Eu não consigo entender mesmo como você pode dizer isso. Você me conheceu há tão pouco tempo e mal conviveu comigo, como pode esperar tanto assim aquele momento? Não faz sentido!
- Sei que é estranho e honestamente não sou do cara romântico que fica imaginando esses momentos, mas não sei o que aconteceu desde que te vi percebi que você não é como as outras que conheço. A maioria das garotas aqui são muito parecidas com sua irmã, mesma personalidade, tentam parecer o que não são e você Sophia é verdadeira e não esconde de ninguém quem é realmente. Não é qualquer pessoa que consegue fazer isso, até eu escondo um pouco o que penso de verdade de algumas pessoas com medo de isso me prejudicar mais tarde, mas você não é assim e sua beleza, seu jeito de ser me encanta. Só você não percebe o quanto é especial!
Ninguém nunca havia falado comigo daquela forma antes. Eu queria acreditar, mas eu não conseguia. Não gosto dessas baboseiras, mas naquele momento não sabia direito o que estava acontecendo. Eu realmente me sentia atraída por ele e agora estava admitindo para mim mesma, mas não era à hora de entrar em um relacionamento, tenho coisas mais importantes para viver esse ano do que algo chamado amor que nem acredito que seja para mim. O problema é que já estava completamente envolvida naquele sentimento, que não achava forte o suficiente para ser amor. Estava mesmo gostando de Gustavo, sabia que não era certo e que havia algo errado na história, mas ele deu um sorriso tão encantador que toda minha desconfiança sumiu e acabamos nos beijando novamente.


2 comentários:

José María Souza Costa disse...

CONVITE

Primeiro, eu vim ler o seu blogue.
Agora, estou lhe convidando a visitar o meu, e se possivel seguirmos juntos por eles. O meu blogue, é muito simples.
Mas, leve e dinamico. Palpitamos sobre quase tudo, diversificamos as idéias. Mas, o que vale mesmo, é a amizade que fizermos.
Estarei grato, esperando VOCÊ, lá.
Abraços do
http://josemariacostaescreveu.blogspot.com

Vitória disse...

Olá! Obrigada pelo comentário no meu blog... Gostei muito da sua escolha para nomear o seu: "Escrevivendo"! É exatamente o que os ses textos são... Parabéns pelo blog, Beijos

Postar um comentário

 
;